A Europa – Realidade e Fantasia / Europe – Fact and Fiction


Autores: Andrade, A. I., Martins, A. & Moreira, G.

Título de la Contribución: O projecto ILTE (Intercomprehension in Language Teacher Education) – das políticas de construção de uma Europa plurilingue às práticas de formação linguística

Año: 2001

Coordinadores: Baker, A. D. (dir.)

Ciudad: Aveiro

Editorial: Universidade de Aveiro

Colección:

Páginas: 61-74

Url:

Palabras Clave: Formação para a Intercompreensão, Intercompreensão entre línguas de famílias diferentes, Estudo empirico, noção de intercompreensão

Resumen:
Este texto apresenta o projecto ILTE, enquadrando-o nas políticas linguísticas e culturais europeias, descrevendo os princípios formativos, os objectivos e as estratégias de formação de professores subjacentes ao projecto e exemplificando a abordagem proposta, através da análise do uso, em sala de aula, da biografia linguística. Pretende-se, assim, mostrar que a educação para a intercompreensão se articula com a sensibilização à diversidade linguística, sendo possível desde os primeiros anos de escolaridade. Numa primeira parte e em paralelo com a construção europeia, traça-se uma panorâmica geral do modo como a política linguística tem evoluído até à proposta de um plurilinguismo para os cidadãos europeus, no sentido de potenciar a comunicação entre todos e preservar a herança linguística e cultural do continente. Numa segunda parte, apresentam-se os pressupostos e objectivos dos módulos de formação de professores do projecto ILTE: fornecer uma visão do mundo das línguas e das culturas; confrontar os sujeitos com as línguas, fazendo-os contactar com a intercompreensão em acção, isto é com as suas estratégias, atitudes e conhecimentos linguístico-comunicativos; ajudar a (des/re)construir práticas de sala de aula. Numa terceira parte, concretizam-se os pressupostos do projecto, exemplificando a abordagem a partir da biografia linguística usada quer como estratégia de formação de professores de línguas, quer como actividade a desenvolver com os aprendentes de línguas. Para tal, apresenta-se uma experiência realizada com crianças do 4º ano de escolaridade, mostrando como essas mesmas crianças se abrem à diversidade linguística, passando a observá-la com mais atenção e desenvolvendo a curiosidade e a vontade de a integrarem no seu repertório linguístico-comunicativo. O texto conclui com o apelo ao desenvolvimento de projectos de formação de professores que preparem para o desenvolvimento do plurilinguismo e, consequentemente, para a intercompreensão.